Uma Ordem Real

Para entrarmos em confronto, tivemos que ir para a Ampulheta do Dragão.

“Isso faz-me lembrar. Ouvi dizer que a aula vai abrir um monte de novas oportunidades. O que você quer fazer, Raphtalia?”

“Quero fazer o que me pedirem.”

“Pára com isso. Raphtalia, deves decidir o que queres para ti”.

Tinha jogado um jogo uma vez que lhe permitiu escolher o caminho da luz ou o caminho da escuridão após uma certa mudança de classe. O objetivo desse mecanismo era que o jogador escolhesse o que quisesse para si próprio.

“Quando as ondas acabarem e eu voltar para o meu próprio mundo, vocês ainda estarão aqui sem mim”. Preciso que te tornes forte o suficiente para sobreviveres sem mim”.

“O quê? Vai deixar-me, Sr. Naofumi?”

“Sim.”

Não senti nenhuma ligação particular com este mundo. Tinha ajudado algumas pessoas e conseguido um grupo de amigos, mas será que isso faz valer realmente a pena para salvar o mundo? Se eu não gostava de lá estar, não conseguia pensar em nenhuma razão para ficar.

“Não me levaria contigo?”

“Onde?”

O que estava ela a dizer? Se uma garota como a Raphtalia viesse ao meu mundo, as pessoas ficariam a olhar para ela.

“A Filo podia levar-me até lá. Para onde vamos?”

“Acho que a Filo não te podia levar lá.”

“A sério?”

“Vamos mudar de assunto. Filo, o que queres fazer quando entrares em confronto?”

“Eu quero… Um… Quero aprender a cuspir veneno!”

“…”

Agora há uma frase para os livros de história. O que queria agora esta ave estúpida?

Será que foi por termos combatido muitos monstros do tipo veneno ultimamente? Será que isso fez o Filo pensar que era fixe ou assim?

Como o BioPlant e o Dragão Zumbi?

“Você já está cuspindo veneno.”

Queria apenas dizer que ela tinha uma língua afiada. Ela apenas balbuciava o que queria sem pensar no que a rodeava.

“A sério?!”

Ela estreitou a boca para uma fenda e exalou bruscamente.

“Fui eu que o fiz?”

“Não foi isso que eu quis dizer. Seja como for, vamos andando”.

Pensamos no confronto iminente e abrimos caminho para a Ampulheta do Dragão, os nossos corações a saltar no peito.

A Ampulheta do Dragão estava situada de forma muito proeminente no centro da Cidade do Castelo de Melromarc. Havia uma grande vista do terreno. Era também um local muito ensolarado, e havia normalmente uma multidão de pessoas a espreitar ao sol da tarde.

Estava a pensar na localização no nosso caminho para lá, e em breve chegámos à Ampulheta do Dragão.

Como sempre, ficou em silêncio no edifício, uma atmosfera pesada e importante a flutuar sobre o silêncio.

“Você deve ser o Herói do Escudo”.

Tal como da última vez, fui recebido por uma irmã resmungona da fé.

“Sim.”

“E a que devemos o prazer?”

“Gostaríamos de nos classificar.

“Nesse caso, vamos precisar de 15 peças de ouro de cada um de vocês.”

15 peças de ouro? Ela era louca? O que poderia justificar um preço tão elevado?!

A irmã permaneceu calma e indiferente, embora os seus olhos parecessem estar a rir-se de nós.

Estaria ela à espera que disséssemos que não tínhamos dinheiro para nos poder rir na cara?

“Disse 15 moedas de ouro cada uma?”.

Tanto com a Raphtalia como com a Filo, não teríamos dinheiro suficiente para a cobrir.

Mas ainda havia tempo até chegar a próxima onda, por isso acho que teríamos de nos concentrar apenas em ganhar dinheiro com o tempo que nos restava.

“Raphtalia, tu primeiro.”

“O quê? Só a Onne-chan?!”

“Não temos dinheiro suficiente, por isso não há muito que possamos fazer quanto a isso. Da próxima vez que cá viermos, podem entrar em confronto, por isso relaxem. Eu arranjo-te um presente a caminho de casa”.

Ela suspirou de um descontentamento exagerado.

Eu queria tratá-la de qualquer maneira, desde que ela deu aquele bom pontapé no Motoyasu, por isso foi um bom timing.

Peguei num saco cheio de 15 peças de ouro, a parte da Raphtalia, e mostrei-o à irmã.

De repente, o rosto da irmã ficou corado e ela correu a buscar alguns documentos à secretária, na frente da sala.

“O Herói Escudo está proibido de ser classificado”.

“O quê?! O que é que isso quer dizer!?”

“É uma ordem real. O Herói Escudo e o seu partido estão proibidos de se classificarem”.

Aquele Rei do Lixo! Ele sabia mesmo como me deixar furioso!

Primeiro estabelecem um preço ilegal e depois, quando eu mostro que ainda o posso pagar, dizem que estou proibido de tentar! Dêem-me um tempo! Se eu não conseguiria entrar em conflito, o que poderia eu fazer?!

Por que razão teria de continuar a lutar sem mudar de emprego? Isto era algum tipo de “novo jogo +” estratégia de jogo para os jogadores hardcore?

“Dá-me uma pausa!”

“É a regra. E além disso, o Herói Escudo tem, logo desde o início… oh… Esquece”.

“Desde o início, o quê?”

Quando saltei para os meus pés, alguns cavaleiros que tinham andado a remoer a parede traseira chamaram a atenção.

“Caramba! Muito bem…”

Pus toda a minha força nas pernas e bati com os pés bem alto enquanto saíamos da sala.

Devia ter passado mais tempo com a princesa mais nova. E se ela tivesse realmente querido ajudar-me?

Ela estava na fila para herdar o trono, e se ela quisesse realmente estar do meu lado, talvez pudesse ter feito alguma coisa em relação a esta regra estúpida.

E, para além disso, se estavam a travar a minha capacidade de me confrontar, isso era razão suficiente para ir vê-la na mesma.

“O que é suposto nós fazermos?”

Raphtalia sussurrou. Ela parecia perturbada. Ela estava certa. Este era um grande problema.

“Ei! O que é aquela ampulheta grande? Eu quero olhar mais para ela!”

“Acalme-se.”

Decidi consultar o menu de ajuda.

Encontrei a secção sobre class-up. É melhor eu ler.

A class-up é uma cerimónia para aumentar as possibilidades dos membros do partido de um Herói.

A cerimónia é realizada no Dragon Hourglass.

Sugerimos que espere até que haja uma estrela com o seu nome antes de tentar a class-up.

Não há limitações para o potencial de crescimento de um Herói.

Não há limitações ao potencial de crescimento de um Herói? Isso deve significar que eu, e só eu, fui capaz de nivelar mais de 40?

Mas… Mas isso não foi bom de todo!

Se não houvesse maneira de enfrentar Raphtalia e Filo, então eles estariam numa situação difícil na hora de lutar, e isso deixar-nos-ia sem nenhuma maneira de atacar.

“Não há nada que possamos fazer. Voltemos a isto mais tarde”.

Seria óptimo. Eu não tinha planeado fazer muito mais nivelamento até a onda ter passado de qualquer maneira. Poderíamos preocupar-nos com tudo isto depois disso.

Talvez nos encontrássemos com um ou dois aventureiros que possuíssem um certificado que permitisse ao seu portador entrar em confronto. Poderíamos fazer com que a Raphtalia se unisse a eles para chegar ao class-up-ou algo parecido.

Tínhamos algum dinheiro para jogar. Certamente que podíamos arranjar alguma coisa.

Mas isso fez-me lembrar que o comerciante de escravos tinha escravos com mais de 40 anos de idade. Não queria realmente passar mais tempo com ele do que o necessário, mas acho que não tinha escolha.

“Muito bem, vamos ver o traficante de escravos.”

A Filo de repente pareceu muito assustada.

“Vais vender-me?”

“Eu não te vou vender, por isso acalma.”

Ela estava a farejar, mas parecia estar a relaxar, e todos nós fomos para a tenda do comerciante de escravos. Mesmo assim, eu estava de péssimo humor. Sempre que me sentia mal-humorado, fechava os olhos e tentava lembrar-me da cara do Motoyasu depois de o Filo lhe ter dado um pontapé. Isso fez-me sentir um pouco melhor.

“Sr. Naofumi, tem aí um sorriso e tanto!”

Raphtalia nunca soube quando se devia calar. Qual foi o mal de rir um pouco para mim?

Comentários